domingo, 29 de novembro de 2009

BLOCO DE NOTAS - EU QUERO UMA FOLHA EM BRANCO

.
.
Folha branca, rosa, amarela, cinza, até, mesmo, o talão do super-mercado... Tudo serve para registar o desejo, o momento e a memória do passado. Fica, pois, o registo em apontamento apressado.
.
Alegria, tristeza, graça, o pensamento inventado. Caneta pronta, folha aberta para o que o sentimento desperta.
.
.
("Bloco de Notas _ Passagem do Tempo", Malay/09, mais uma etapa...)



Eu quero uma folha branca,
sedenta de amor e verdade,
sombras de uma caminhada,
pinceladas de saudade...
.
O papel ficou molhado,
cansado de ingratidão,
foram lágrimas sentidas,
dias, horas, solidão!...
.
E mais de mim não sei,
folha branca espezinhada...
.
E mais de mim não dei,
folha branca que pintei...
.
E mais de mim não vi,
folha branca que perdi...
.
Eu quero esta folha branca,
de papel amarrotado,
que do chão já apanhei
para esquecer o passado!...
.
E mais de mim não tenho,
folha branca...amarelada,
com a cor do meu silêncio,
não a quero amarfanhada!...
.
E mais de mim... eu quero!



(Cremilde- 2009. Poema retirado da NET)

MATERNIDADE

.
.
.
(Momntagem de imagens do quadro pintado pela Sandra para o P.)


Mães "dinossauras"; "mães galinhas"; simplesmente, mães. E, aqui, estamos nós, a proteger as nossas crias. Aguardando, tranquila, mas, solicitamente, os nossos rebentos...



( Montagem do quadro sobre a grávida da Sandra e, fotografia da flor, retirada da NET)

.
.
Barriga de mulher grávida que desabrocha em flor do nosso desejo. Branca, amarela, rosa, vermelha, seja ela qual for a cor da nossa flor, é flor que dará o nosso fruto. Fruto que, suavemente, podemos acarinhar e fazer soltar da nossa mão.
.
.
.

"MODERNICES" NA VIDA DE UM GATO

.
.
.
Veio de avião; "vai" de NET; falou-se ao telemóvel; andou de carro; talvez, tenha sido encomendado, por fax... Mas, há uma coisa que permanece, às vezes, "fora de moda"... as "lamechices" da Amizade que atravessam o Oceano, que unem terras de Sua Magestade Britânica ao nosso republicano Portugal. Pois é, este porta-chaves, tem a chave do segredo de uma vida mais cheia e mais feliz __ É ela, A AMIZADE.
.
.
.
(Porta-chaves enviado pela Gugu)



Computador, telemóvel, avião, fax...
"Modernices" que nos sabem tão bem.
.
Almofada, ração...
"Modernices" na vida de um gato.
.
.
.
(Para quem gosta de gatos)
.
.
Ei-lo, quieto, a cismar, como em grave sigilo,
vendo tudo através da cor verde dos olhos,
onça que não cresceu, hoje é um gato tranqüilo.
A sua vida é um "manso lago", sem escolhos...


Não ama a lua, nem telhado a velho estilo.
De uma rica almofada entre os suaves refolhos,
prefere ronronar, em gracioso cochilo,
vendo tudo através da cor verde dos olhos.

Poderia ser mau, fosforescente espanto,
pequenino terror dos pássaros;
no entanto, se fez um professor de silêncio e virtude.


Gato que sonha assim, se algum dia o entenderdes,
vereis quanto é feliz uma alma que se ilude,
e olha a vida através da cor de uns olhos verdes.


(Poema retirado da NET, de Cassiano Ricardo)
.
.
.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

"MARIAS CHORONAS" - FRAQUEZAS DE MULHERES

.
.
.
(Foto retirada da NET).
.
.
O desfecho é comovente; o diálogo sentido e emocionalmente forte; a imagem sofrida... A cena bela e imprevista; o gesto bonito; a música envolvente; o talento inesperado,,,

E, eis que, as danadas, começam a insinuar-se. Um aperto na garganta. Alguém, que, nos diz, procurando provocar-nos: __”Não digas que não. Mas, estás a chorar!...”

É verdade... Como é irritante tal intervenção!

Nem toda a simulação do Mundo consegue impedi-las de se assomarem. E, pior que isso, começarem a deslizar, devagarinho e insistentes, em disfarce contínuo que acaba por ser apanhado... Sacudimo-las... Mas, elas, teimam.

Sem dúvida, há duas categorias de pessoas: as “Marias Choronas” e os outros.

Mas, sempre que as atrevidas gotinhas decidem aparecer, ( se não forem de indignação, de revolta, de amargura, pena ou desespero), ainda, mesmo, que sejam de tristeza ou comoção, sabem ao sal da vida que é feita de momentos. Sobretudo, se tivermos, a nosso lado, quem nos diga, espicaçando, a tal frase irritante e cúmplice: __” Não escondas... estás a chorar!...”

É um bocadinho irritante, na altura... Mas é bom termos quem nos queira "arreliar"! É, mesmo, muito bom que haja as “Marias Choronas” e os outros. Até porque, o sal e a água, sempre se entenderam bem, e, fazem tornar as coisas mais leves, impulsionando os sentimentos.
.
.
.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

TESTEMUNHO

.
.
.
(O nascer do Sol, no Mar Báltico, próximo da costa da Suécia.__ Foto retirada da NET)
.
.
Pedi um passe de mágica, e ele aconteceu. A espada que pairava sobre mim, esmoreceu!... Transformou-se num raio de esperança e confiança, que quero, agora, partilhar.

Quando nos dizem: __”Vamos ter calma. Mas, precisamos de fazer mais exames, para ter a certeza do que é...” . Cai-nos o mundo em cima. Mas, se tudo não passa, por hora, de um tremendo susto, então, fica o testemunho...

“TESTEMUNHO”, porquê? Porque, só nestas alturas, nos damos conta de como nos faz bem falar e perceber que não somos caso único. Quantas mulheres não têm passado por isso?!...

“Cancro da mama”, "cancro do útero", nomes que assustam. Ainda, nos tempos de hoje, são palavras que, desencadeiam, em nós, desconforto e medo.

Mas, hoje, há armas para os despistar e desarmar. Meios de diagnóstico e de tratamento com muita fiabilidade, que nos dão confiança naqueles que os usam e nos podem ajudar.

Meios de diagnóstico e vigilância. Sobretudo, VIGILÂNCIA!...

Sem dúvida de que, a prevenção é a chave do problema. Só que me pergunto: __”E, será que, está ao alcance de todos, com muita facilidade?...” Não foi bem, isso, que eu percebi. Mas, receio estar a ser injusta, pois pode ser que esteja enganada. Agora, que há gente fabulosa pronta a encorajar e a ajudar, há!... E não falo só dos profissionais de saúde... Os passes de mágica existem, e, a luz da esperança, não pode morrer.

.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

FOLHAS DE OUTONO

-
.
Tantas folhas há no nosso caminho __ Verdes, vermelhas, castanhas ou amarelas... De muitas, nem nós damos conta delas, outras fazem-nos escorregar... Mas, há as que connosco vêm ter. Que, pousam na nossa janela, onde ficam, ou, de onde se deixam cair. E, assim, por vezes, vêm brincar connosco, e, encontram em nós, um amigo.
.
Quantas folhas tão diferentes... verdes, vermelhas, castanhas ou amarelas... É, no nosso Outono, que as podemos contar. É bom, quando, hoje, podemos dizer: "Temos muitas folhas, porque somos amigos delas"...
.
.
-
.
Castelo de Vide - 2009
(Foto de Anabela Faia. Uma das folhas, do meu Outono)

.

.
Encontrei uma folha,
uma folha amarela,
que a cair veio,
pousar na janela.
Ela brincou comigo
e eu brinquei com ela.
Encontrou um amigo,
esta folha amarela.


(Poema infantil retirado da NET)
.
.
.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

BLOCO DE NOTAS - PASSAGEM DO TEMPO

.
.
.

" BLOCO DE NOTAS - PASSAGEM DO TEMPO"
(Pormenor - 3ª ETAPA)
.
.
.

Fere de leve a frase... E esquece...

Nada convém que se repita...

Só em linguagem amorosa agrada

A mesma coisa cem mil vezes dita.
.


. ............................................ Mário Quintana
.
.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

UMA PRENDA DE ANOS QUE NÃO SE ESQUECE

.
.
23 de Novembro!



(NET)


É um homem especial, assim como muitos dos presentes que foi oferecendo, ao longo do tempo, no dia de anos da sua mulher. Que me lembre, nunca nada foi dado ao acaso. O computador portátil aos 72 anos, a ligação à Internet aos 73, foram dos mais recentes.

Mas, houve uma prenda de anos que ficou registada na história da família... Foi um escadote. "Ainda se fosse uma flor... uma simples flor do campo..."



(NET)
.
.

Mas, bem vistas as coisas, até que, mais uma vez, foi bastante especial... para além da utilidade prática que tinha, naquela altura, pois estava a fazer falta. Um escadote, permite-nos chegar onde não chegaríamos de outra forma; permite-nos ter uma perspectiva diferente das coisas, pois, de cima, tudo é diferente... e, de um ponto de vista mais poético, permite-nos ficar mais perto do céu!...
.
.

Afinal, nem foi, assim, tão descabido...
Foi, até, mesmo, um presente romântico...
As estrelas estavam, agora, mais ao nosso alcance!
.


(Foto retirada da NET)
.

.
E, porque, também, hoje, é uma dia especial. PARABÉNS AOS DOIS!

.
Que os nossos escadotes nos permitam alcançar frutos maduros e chegar aos anéis do arco-íris, pois, eles, nos conduzirão ao tesouro mais cobiçado __ o da compreensão, partilha e amizade.
.
.

domingo, 22 de novembro de 2009

NAMORANDO A TELA

.
.
.
Namorar a tela. Para isso, bastam as tintas e os pincéis... ou, um lápis; ou um pano dobrado; um pedaço de plástico amarfanhado; e tudo o que a imaginação ditar...
.

.
(Malay - Novembro, 2009)
.
.
(Sandra - Novembro 2009)
.
.
(Martim - Novembro 2009)
.
.
... Até, mesmo, um bisturí!

(Ana, restaurando um quadro do Martim - Novembro, 2009)
.
.
O recuar para ver a perspectiva... os olhos semi-serrados; o reforço da pincelada; a tinta que não agarra; o tom que se afirma; o volume que se dá; a forma que se define; o conselho que se pede...
.
...são tudo passos deste namoro.
.
.
.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

BLOCO DE NOTAS - A PASSAGEM DO TEMPO

.
.
.

( "BLOCO DE NOTAS _ PASSAGEM DO TEMPO", 2ª fase - Novembro, 2009)


.
A vida desfolha-se, como as folhas de um bloco de notas. Uma a uma, vão passando. Mas, às vezes, atropelam-se... De tal forma que já não sabemos onde estamos.
.
Os dias vão correndo. Uns mais inspirados, outros mais apagados. Folha arrancada, é folha que não torna. Mas, pendurado pela força da vida, temos o resto das folhas do bloco, estas, ainda, por desfolhar.

.

A ARTE DO LIXO

.
.
Lixo. Um dos flagelos do século XXI. Que fazer com a enormidade de tudo aquilo que já não nos serve e fica acumulado em lixeiras, nas ruas, nos campos, no mar, nos rios?... Há populações que vivem dos lixos e restos deixados por outros... Verdadeiras "cidades" vivendo à custa dos lixos e da sua reciclagem. No Mundo Ocidental, faz-se a reciclagem de vários tipos de materiais de forma industrializada e sistemática... Novos produtos aparecem, outros são renovados. Mas, há quem transforme lixo das ruas em arte. Há quem pinte lixo. Há quem faça "instalações" com lixo. E, há quem faça, isto, que está nas imagens e é, simplesmente, fabuloso!...
.
.
Tim Noble e Sue Webster (dois artistas ingleses), com materiais comuns tirados das ruas de Londres, compõem amontoados que, vistos isoladamente, poderiam localizar-se num qualquer aterro sanitário, mas que, iluminados com uma fonte de iluminação estratégicamente colocada, projectam sombras que impressionam pelo seu realismo e detalhe. Também, o Japonês Shigeo Fukuda, foi exímio, nesta arte de obter sombras a partir dos mais diversos materiais, como talheres, por exemplo.


Tim Noble e Sue Webster


Tim Noble e Sue Webster


Tim Noble e Sue Webster


(Obra do Japonês Shigeo Fukuda)



(Obra do Japonês Shigeo Fukuda)
Sombra feita por um emaranhado de garfos, colheres e facas.
.
.
(Informações e fotos retiradas de E-mail enviado pela A. B.)
.
.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

COZINHA E PINTURA NUMA VILA ALENTEJANA

.
.
As artes da cozinha e da pintura, poderão estar associadas?!... Sem dúvida, de que, ambas, são velhas de séculos. E, quem mais emblemático do que Leonardo da Vinci, para o confirmar?!...
.
.

A Última Ceia (1495 - 1497) - Leonardo da Vinci

.

Não foi ele que, gastou três anos da sua vida, na sua maior e mais conhecida representação pictórica que denominou de A Última Ceia? A Última Ceia, que abordou tanto, questões de comida, como valores espirituais.
.
.
Não foi este homem, talvez, um dos maiores vultos de todos os tempos, de toda a Humanidade, quem guardou a sua caixa negra?!... Caixa negra onde, supostamente, terá guardado a máquina que inventou, que cortava a massa em tiras longas e estreitas como fios, que, depois de mergulhadas em água a ferver, se transformavam em Spaghetti. (ou, como, ele, designava Spago mangiabile _ fio comestível).
.
.



Até ao fim dos seus dias, Leonardo recusou emprestar a sua caixa negra ao rei de França, Francisco I, que pretendia fazer uma cópia e transformar o Spaghetti, no prato nacional francês.
.
Talvez, Leonardo da Vince, a considerasse, tal como a Última Ceia, como sua dádiva suprema ao mundo.
.
.
Ele ofereceu, a Francisco I, a sua Mona Lisa, bem como, o seu São João, mas, aquilo que era, realmente, valioso para Leonardo da Vinci, era o engenho escondido na caixa negra que decidiu conservar até morrer.


Mona Lisa (1503 - 1507) e S. joão Baptista (1513 - 1516)
Leonardo da Vinci
.
.
.
.
Não somos "Leonardos", nem, bons garfos, tão pouco...
.
Mas, porque não associar pintura e boa mesa?!...

(A propósito de garfo... também, ele, foi inventado, juntamente, com o guardanapo, por Leonardo da Vinci. Até ali, comia-se com as mãos que iam sendo limpas ao pêlo de coelhos presos aos pés das cadeiras e, depois, lavados nas cozinhas das casas ricas.)
.
.
Os nossos trabalhos (fotos cedidas por A.F.)
.
.
Associar pintura a comida tradicional e conventual...
.
Foi o que aconteceu numa vila alentejana...



Sala de exposição dos trabalhos, em Castelo de Vide, no D. Pedro V
(fotos cedidas por A.F.)
.
.
É, assim, que, satisfeitos o paladar e o gosto da mesa, talvez, se possa passear os olhos pelos trabalhos expostos, enquanto o aroma e o fumegar do café, acompanham o quentinho aconchego que nos traz de volta a casa, neste Outono, ou, neste Inverno.
.
.
.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

CASTELO DE VIDE - TERRA DE ACOLHIMENTO...

.
.
.
Castelo de Vide. Terra de acolhimento e tolerância, está situada no itenerário cultural europeu dos Caminhos de Compostela. Situada a 17 Km de Portalegre, é a capital regional do Alto Alentejo, localizando-se no Parque Natural de S. Mamede.
.
.
.

(Montagem de fotos da NET)



O castelo foi mandado erigir no século XII (1180) pelo rei D. Dinis. Daí se desenvolveu o Bairro, ou Burgo, Medieval formado por um labirinto de ruelas estreitas bordadas de casas caiadas, muitas vezes, ornamentadas com bonitas portas de molduras góticas esculpidas no granito.
.
.
(Montagem de fotos da NET)
.
.
Castelo de Vide, detem o segundo maior conjunto de portas ogivais (góticas) do Mundo, a seguir à cidade marroquina de Fez.
.

(Montagem de fotos da NET)
.
.
A Judiaria, é o bairro onde se reagrupou a comunidade judia depois da sua expulsão de Espanha em 1492. A Judiaria, cresce em direcção ao Castelo. Ruas estreitas que guardam segredos de um povo que teve de esconder as suas crenças para fugir aos autos de fé da inquisição. Alguns edifícios da Rua da Judiaria, da Rua da Fonte ou da Ruinha da Judiaria mostram ainda o que resta da tradição milenar judaica de marcar a sua fé nas ombreiras das portas. Cruzes que camuflam símbolos judaicos, vasos de flor que dão frescura às ruas empedradas e rostos onde cada ruga parece revelar uma história, dão vida ao bairro judaico.


(Montagem de fotos da NET)
.
.
.

sábado, 14 de novembro de 2009

PROPOSTA INDECENTE - UM CONVITE PARA UMA VISITA A CASTELO DE VIDE

.
.
.

"SONHOS DE CRISTAL" - (Malay, Novembro 2009)



Mais de meio século... Sonho de menina, tornado realidade __ aprender a pegar num pincel e procurar manchar a tela. Um dos sonhos de cristal... Sonho frágil e etéreo que se vai procurando materializar.
.
Mais um "filhote", que é como quem diz, mais um quadro. Este, foi, hoje, a caminho do Alentejo. Castelo de Vide. Restaurante D. Pedro V... Foi, acompanhando os vinte e tal quadros que lá irão estar expostos até ao mês de Janeiro. Para cada um de nós, cada um dos nossos quadros, é um bocadinho das nossas vivências partilhadas num espaço gerido por uma mestra que, nos ajuda a acreditar nos nossos sonhos, por frágeis e imaginários que possam ser.
.
Por isso. E, porque, o pato com framboesas, para além de mais de trinta outros pratos típicos, é de comer e chorar por mais. Para não falar da encharcada do Alentejo e todos os outros doces conventuais... Vou fazer-vos uma proposta indecente. Num dia de sol, deem um salto a Castelo de Vide e passem pelo D. Pedro V que fica na praça do mesmo nome... Vão lá visitar os nossos "meninos".
.
.
Para aguçar o apetite, está aqui o endereço:
.


.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

GENERALIZAÇÕES - O RISCO QUE CORREMOS DE SER INJUSTOS

.

.
(NET)
.
"__ Os Pitbull são considerados dos cães mais perigosos para ter em casa; são óptimos para treinar para lutas de cães; são..."
.
"__ De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento."
.
E, conhecem aquela história, que o nosso pai nos contava quando eramos miúdos?
"Um Português, ia numa viagem de barco que navegava junto à costa francesa. Até que, a certa altura, avistou um homem a passear na praia e a mancar... É, então, que se vira para a companheira, que estava com ele junto à amurada do navio, e, diz: "__ Olha, querida, afinal, os franceses são todos coxos!..."
.
E quem não ouviu já, ou disse:
"__Os judeus são..."; "__Os alemães..."; "__Os moços da favela..."; "__As mulheres..."; "__Os homens..."; "__As brasileiras..."; "__Os americanos..."; "__Os iraneanos..."; "__Os ciganos..."; __" Os "gay"..."; "__ Os alentejanos..."; "__Os povos árabes..."; "__Os negros..."; "__ As sogras..."; "__Os portugueses..."; "__ Os tripeiros... "; "__Os ..."; "__As ..."; etc,etc,etc...
.
Sem dúvida de que, as generalizações, são, muitas vezes, perigosas. Quantas vezes, na história da Humanidade, as generalizações, não têm levado a guerras, a destruições, a injustiças e à penalização de inocentes?


As generalizações, podem ser muito injustas, se não, vejam este exemplo:




"O TERRÍVEL PITBULL" -(Vídeo enviado pela FL)
.

domingo, 8 de novembro de 2009

VIAJAR EM TRÊS TEMPOS - O ANTES, O DURANTE E O DEPOIS.

.
.
.



O VIAJAR, que tem de tão fantástico, para quem gosta de o fazer? __ o ANTES, o DURANTE e o DEPOIS...
.
O ANTES, é: a antecipação daquilo que virá a acontecer; a excitação de ver chegar a hora; a planificação de parte daquilo que se quererá fazer e conhecer; o saber o que levar (cada vez com mais precisão, dadas as novas tecnologias, como a consulta da Internet...); os conselhos de quem já foi; a previsão do que se irá encontrar (uma vez mais, com recurso à Internet ou a livros específicos); o arrastado fazer das malas; o verificar se está tudo em ordem, e os bilhetes, e se, a casa , fica fechada; etc, etc, etc ...
.
Enfim, não há dúvida de que, ir viajar, é cada vez mais uma “ciência”.
.
O DURANTE, são: os tempos de espera; o autocarro que avariou; a chuva que, entretanto, caiu; a paisagem deslumbrante que, apesar da preparação prévia, não se esperava encontrar, superando todas as expectativas; o realizar de um sonho ao estar junto a algo que desde sempre desejámos conhecer; a desilusão do que se esperava e que, no sítio e na realidade, não correspondia; as situações embaraçosas que, mais tarde, se irão transformar em situações cómicas e divertidas; a arrelia com o mau atendimento; a simpatia de um bom acolhimento; o estar e o ver estar...
.
Enfim, um saldo de novidade que nem, o peso das malas ou a corrida para o “cheque-in”, fazem esquecer ou deixar de apreciar.
.
No DEPOIS, está a lembrança do que ficou: o bonito e agradável transforma-se em belo; o pequeno em grande; o 'pequeno' derrapar em 'enorme' desastre; o 'gostoso' em 'delicioso' ou “manjar dos deuses”; os “desesperante”, ”caricato” e “imprevisto”, transformam-se em momentos engraçados e, até mesmo, hilariantes... Isto, quando se está no conforto do sofá, sem calor, sem chuva, sem frio enregelante, sem a perda daquele autocarro ou da ligação do combóio ou, ainda, o quarto por preparar, quando não em péssimas condições...
.
Nesta altura, o rever as fotografias ou o relatar das “aventuras” e dos novos conhecimentos, transporta-nos para um outro planeta bem dentro da nossa imaginação e que torna aqueles momentos em novos momentos que vale sempre a pena serem vividos e recordados.
.
Boas viagens...



(caricatura retirada da NET)
.
.
(caricatura retirada da NET)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

PROCURA DE UMA RAZÃO PARA A NOSSA EXISTÊNCIA... - CARCAVELOS / CASCAIS / PORTUGAL

.
.




Carcavelos...Local da nossa juventude, das nossas vivências, da nossa igreja. Igreja onde casámos, baptizámos, velámos... vivemos momentos muito bons e muito maus.


Esta bonita e acolhedora igreja, convida-nos a voltar, quando precisamos mais do que de apoio terreno. Não tenho fé. Mas, gostaria de acreditar que, lá, possa haver algo que nos "oiça", onde quer que possa estar e o que quer que possa ser. Ainda que mais não seja, por sermos partículas que fazem parte de um todo único e absoluto a que se chama Universo. Se não... a que devemos a nossa existência?...





Se preciso de fé... E, se, aqui, não a encontro, não a encontro em parte alguma... Ainda assim, volto sempre lá, se algo me aflige ou necessito de agradecer o bem que nos coube. A sua atmosfera tranquila e equilibrada, ajudada pela beleza dos seus azulejos, aconchega-nos, traz-nos paz... é um bocadinho nossa... E, quem sabe?!... a fé, não possa chegar, um dia...
.
.

CARCAVELOS RESISTENTE - CASCAIS / PORTUGAL

.
.


Carcavelos... Vila trucidada, esventrada, partida. "Sulcos" abertos onde transitam meios de transporte que fazem acelerar os seus motores qual pista de autódromo. Sentidos únicos indispensáveis mas que desvirtuam o fluxo livre, calmo e descontraído do trânsito que já conhecemos em tão pacata vila...
.
“Sulcos” que isolam um centro de comércio tão próprio e familiar. Hoje, encontramos fechadas muitas das lojas onde comprávamos prendas de Natal, mimos para a família e amigos... Hoje, há lojas que só abrem o trinco da porta quando se toca à campainha; há lojas que se trespassam; há lojas que se alugam... há bancos... lojas chinesas...
.
Mas, Carcavelos, resistente que é, teima em manter os seus encantos e recantos que sempre nos atraíram nela. Alguns deles, até, talvez, mais bonitos...

.
.






.
.
.