sábado, 30 de maio de 2009

A MAGIA DOS ESPAÇOS...

.
SE EXISTE DEUS???!...
.
É-me tão difícil acreditar...
Mas, tão desconfortável, não o fazer...



(NET)
Ambiguidades...
.
.
ENTÃO, O QUE HÁ?
.
.
Que energia é essa que nos permite comunicar, viver, pensar?...
.
Que energia é essa que nos conduz por um caminho, por vezes, tortuoso, imprevisível, até mesmo improvável?!...
.
Que energia nos leva ao nosso destino?... Pré-definido?!...
.
Energia que cria espaços e tempos mágicos, em que, de alguma forma, nos encontramos ligados a algo que nos transcende.

.

(NET)
O tempo que escorre...

Quando, esses espaços e tempos mágicos, nos permitem expressarmo-nos numa harmonia com o corpo, com o espírito e com o todo que somos nós, parte do Universo, integrados no que nos rodeia...
.
...ENTÃO, TALVEZ DEUS EXISTA...
.
FICA A DÚVIDA!

.


ENCRUZILHADA

.

.
(a.d.)
(NET)

Cheguei a uma encruzilhada da vida em que, duas das razões de ser dela, estão numa água-furtada e numa sub-cave.

Outra é a de quem lê estas palavras...


São estes pequenos "nadas" que nos fazem ir além de nós próprios... Pequenos "nadas" que se transformam em tanto...


"Quando uma porta se fecha, outras se abrem..." E, às vezes, é preciso chegar-se ao "fundo", para compreender o verdadeiro valor das coisas.


Vai-se aprendendo, mesmo devagarinho... Mas, há que continuar a tentar...


.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

PROFESSORES EM LUTA - GOSTARIA DE VOLTAR A SÊ-LO, AGORA?...

.
.


(NET)

Fui professora. Gostei de o ser. Dei tudo quanto podia. Algumas vezes, a escola chegou a ficar à frente da família.
.
Não tenho a pretensão de ter sido uma professora muito eficaz e "rentável", enquanto tal. Tenho a pretensão de ter sido entusiasta, empenhada e dedicada... Conheci e conheço muitos professores que, para além disto, são, sem dúvida, eficientes e, realmente, "rentáveis".
.
Sinto "as suas dores" quando, hoje, os vejo tão desanimados e desiludidos. Não é só o tempo de trabalho que está em causa mas, e sobretudo, o tipo de trabalho "inglório" a que são obrigados, entre outras razões...
.
Se se manifestam, se protestam, se se lamentam, é tempo de o fazerem, porque o não "tempo de ensinar" não dá TEMPO DE AMAR tanta coisa que se poderia fazer, dentro da escola, com e para os alunos. E, como esse tempo, mesmo quando fora das aulas, é gratificante, para todos!... _ professores e alunos. Neste campo, posso falar por experiência própria e conhecimento de causa...
.
Gostaria de ser professora, hoje? Não estou lá para sentir... Mas, não me parece. No entanto, certamente, que novo tempo de conciliação virá. Ainda que, para isso, seja preciso lutar...

.

terça-feira, 26 de maio de 2009

ESTE TEMPO DE ENSINAR NÃO DEIXA TEMPO PARA AMAR (...)






Já o Principezinho tinha concluído que era preciso tempo para e cuidar e se poder amar as rosas...


E uma PROFESSORA respondeu-me, perante o meu "post" anterior:


" ... Mas,querida amiga, este tempo de ensinar não deixa tempo para amar as rosas. E, o tempo, passa..."


Ao que os tempos nos conduzem...


Será que, alguma vez, os professores, poderão voltar a ter tempo para amar as rosas e as outras flores?!... E, o que é mais, amar dar aulas às suas jóias em bruto que deveriam ser os seus alunos e que precisam ser lapidadas?!...


segunda-feira, 25 de maio de 2009

JÓIAS DA PRIMAVERA - QUEM AS CRIOU?

.
QUEM AS CRIOU?!...






QUEM AS IDEALIZOU?!...


QUEM AS COROU?!...




QUEM...?!...




QUEM...?!...




NÃO ACREDITO EM DEUS.

MAS, QUEM SERÁ ESSE JOALHEIRO QUE,
CHEGADA A PRIMAVERA,
ESPALHA JÓIAS PELO NOSSO QUINTAL?!...



.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

OLHOS DE MAR... MULHER, MÃE, AMIGA

.





.

Olhos de mar, cabelo de fogo...

Mãe...
.
Mulher renascida pela arte...

Gosto de vida, força de alma...
.
Subtileza no sentir...
.
A todas as mulheres que são como tu,
.
o comando da arte na alegria de viver e da beleza de ser...

.

DESTINO FINAL... DESTINO DE UM QUADRO




Estou de partida



2009 __ Faz 250 anos que Oeiras foi elevada a Vila, por decreto do Marquês de Pombal... Eram os cavalos peças chave que permitiam a deslocação de pessoas, de Lisboa, para as, então, longínquas paragens de Oeiras... permitindo o intricado jogo de influências dentro e fora da Corte, no tempo do Rei D. José I. Por outro lado, desde os princípios do século XX, foi o combóio, um dos principais factores de desenvolvimento da nossa zona...

Entretanto, o tempo vai girando como pião na mão de uma criança. Ora apressado e determinado, ora lento e desengonçado; rodopiando a um ritmo certo, ou, então, em incerto desvario...

Fachadas e azulejos oitocentistas, ainda, hoje, despertam memórias de outros tempos... Assim, o Passado se faz Presente... E, assim, também, a vigília dos pequenos faróis que, se debruçam sobre o Tejo, da marina que, hoje, nos deleita, e nos lembra que, por aqui, se fazia e faz, ainda, a ligação a outros mundos; A janela da Fábrica da Pólvora, permanece como a lembrança dos tempos, duros mas grandiosos, do Conde de Oeiras, um dos homens mais poderosos da nossa História, que, normalmente, conhecemos por Marquês de Pombal; finalmente, hoje, o cata-vento, em Paço-de-Arcos, parece anunciar a mudança dos tempos...

Tudo isto, e tantos outros cantos e recantos de Oeiras, nos fazem sentir o privilégio de viver junto a uma das terras urbanas mais bonitas de todo o nosso Tejo. Terra que, um dia, foi o coração do Reino.

Há quem diga que, nada na vida, acontece por acaso. Este quadro tem a sua história. Agora, vai chegar a um novo destino. __ Será ele o último?!... Será, mesmo este, o seu destino final ?!...

Tal como o meu quadro, também Oeiras tem a sua história. História essa, particularmente, interessante e significativa. Foi, Oeiras, palco de momentos difíceis, de momentos cheios de “glamour”, de momentos marcantes da História do nosso país. Hoje, é uma pacata vila que não deixa de fervilhar de desenvolvimento e actualidade, procurando que a vida vá mais além do exclusivamente material, constituindo um pólo de encontro de ideias e sentires.

Foi, assim, que nos foi dada a oportunidade de celebrar Oeiras, duma maneira que vamos sabendo __ Utilizando o pincel...
.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A INVASÃO DOS DINOSSAUROS E OUTROS BICHOS - PARQUE DA QUINTA DA ALAGÔA... CARCAVELOS / CASCAIS

.

.

O PARQUE DA QUINTA DA ALOGÔA E OS SEUS NOVOS HABITANTES





Quando se tem o privilégio de passear, numa tarde de Sol, neste parque e, na companhia de uma amiga, começamos a pensar que neste pontinho de Portugal a qualidade de vida tende a melhorar, mesmo, apesar da crise...





.
Passeios calcetados, novas ruas traçadas, parques... Só que, há um diabinho, que, nos diz: __"E, se depois das eleições, tudo acaba?!..." Mas, vamos ser optimistas e pensar que, toda esta azáfama, vai continuar. Até porque, embora aparentemente possa não ser essencial, ajuda muito no bem estar do dia-a-dia de quem deles possa usufruir...
.
.
.


O começo de uma viagem...

.



"Instalação" móvel...


Quando alguém nos vem matar a fome...

Aves unidas pelo mesmo instinto...




Cada visita, uma surpresa...

.

.

domingo, 17 de maio de 2009

sexta-feira, 15 de maio de 2009

PORTUGAL / CASCAIS - BUZEIRANDO POR AÍ... O BUZANO, COMEÇA A VALER A PENA...

.

É um núcleo... São recantos...


Só se espera que se venham a alargar e a multiplicar...



Está como antes?!... Vamos espreitar...


Uopps!... Há qualquer coisa de diferente...


Um novo enquadramento...


Canteiros floridos...


Um toque de roxo, faz toda a diferença...




Linhas verticais...

Esforços conjugados...

Um novo espaço. Útil e agradável...


Para que não haja dúvidas...

A actualidade na nova urbanização...
.

Começamos a estar na Europa.

.

Maio, sem dúvida...



Qu'é da mercearia do Sr. Manuel?!...
Está transformada num café.
.
Agora, são estas as novas "mercearias"...
Até têm as suas inúmeras vantagens, mas...
.

Ainda é preciso focar a câmara para o ângulo certo...

... por quanto tempo mais?...


Os baldios, vão perdendo terreno...
.
.
VAMOS FAZER UM VOTO:
.
BREVE, BREVE... APONTAMOS A MÁQUINA NUMA QUALQUER DIRECÇÃO...
E, ELA, CAPTA, EXACTAMENTE, AQUELA IMAGEM DE QUE NÓS GOSTARÍAMOS...
.
PREPAREM-SE, PORQUE, ENTÃO, BASTA CARREGAR NO BOTÃO!


quinta-feira, 14 de maio de 2009

BEIJU DE LEITE CONDENSADO E CÔCO RALADO...GOSTOSA HERANÇA DOS ÍNDIOS...

.
.
TAPIOCA REDESCOBERTA...

.
.
A tapioca é uma fécula extraída da mandioca. Palavra de origem indígena do tupi que significa sedimento ou coágulo, iguaria tipicamente brasileira...



A tapioca era o alimento básico dos índios brasileiros e ainda faz parte do cardápio dos brasileiros. Mais tarde, os colonizadores portugueses descobriram que a tapioca servia como bom substituto para o pão.


Não faz muito tempo, porém, que a tapioca atraiu a atenção de alguns criativos "chefs" da culinária brasileira. Estes usaram suas habilidades e criaram versões inovadoras da tapioca.


(NET)
Cultura de mandioca


A Mandioca, a que os brasileiros também chamam Aipim ou Macaxeira, é o nome pelo qual é conhecida a espécie comestível e mais divulgada do género Manihot e que inclui várias raízes comestíveis.

(NET)
Pé de mandioca


Só é possível distinguir perfeitamente as espécies venenosas (isto é, a mandioca-amarga) em laboratório. No entanto, deixar a raiz da mandioca descascada em água por uma hora ou duas e depois cozinhar por mais uma hora em água fervendo a torna apta ao consumo.


(NET)
Raiz de mandioca


No entanto, em todo o mundo se come mandioca sem tomar estas precauções e não é comum a intoxicação devido ao seu consumo. Isto se deve, por um lado, ao facto de que cozinhá-la do modo habitual (fervida ou frita) destrói a maior parte do veneno e, por outro lado, o sabor amargo do cianeto demove as pessoas de a comer.





(NET)
Mandioca descascada

.
.
Hoje, a tapioca, é um sucesso na culinária brasileira, tornando muitos restaurantes famosos, por causa dela. Os 2chefs" criaram versões inovadoras da tapioca, e usam suas habilidades para dar uma cara nova à versão tradicional.



A farinha é passada por uma peneira ou passador...


Deixa-se assar por 2 a 4 minutos, ou até a mistura se parecer com uma panqueca e as suas bordas se desprenderem da chapa.



O recheio?... Leite condensado, côco fresco ralado, manteiga, banana, chocolate...




São apenas poucos minutos, de um lado e de outro...




E, cá está. Bom para a dieta?... Humm!... Mas, para a vista, para o olfato e para o gosto, sem dúvida de que é!...
.





Chama-se tapioca ao prato feito com farinha de mandioca.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

NO LITORAL BRASILEIRO - ÚLTIMA PARAGEM __ O MANGUE...

.
.
Só em Pernambuco existem cerca de 270 Km2 de manguezais. Sujeitos ao regime de marés em que há o encontro das águas do rio com as do mar, são ecossistemas complexos, dos mais férteis e diversificados do planeta... A sua biodiversidade e riqueza é tal, que constitui a base indispensável à sobrevivência tradicional das populações pesqueiras. Mas, a sua importância, vai muito para além disso...



.
Deixem-me levar-vos ao Paraíso...






O senhor António, homem reservado, atencioso e eficiente, leva-nos de catamaran às portas do Paraíso, que é como quem diz à foz do Rio Formoso, onde fica a Praia dos Carneiros...
.









.
.
.
Passamos pela Capela de S. Benedito. Capela oitocentista, que encanta pela sua singeleza, pelo branco imaculado do seu caiado e pela sua traça simples e geométrica recortada contra o fundo de coqueiros. Entre o azul do céu e da foz do rio, faz-nos ansiar pela sua sombra fresca, convidando-nos a entrar...

.
.

Agora, o memorial airoso e branco, debruçado sobre o rio, silencia lembranças de um passado distante...
Do século XVII, aqui ficou registada a lembrança da vitória sobre os Holandeses.
Portugueses, índios nativos e escravos negros, conjugaram esforços numa luta sem quartel. Mal armados, e, em menor número, não deram tréguas ao inimigo
.

.


Pernambuco, estava a ferro e fogo __ por todo o lado os Holandeses eram vencidos. Pernambuco, volta ao poderio português.
Embora, mais tarde, os Holandeses, tivessem retomado a sua Nova Holanda, (como chamavam a Pernambuco), ainda no Séc. XVII, deixaram, para sempre, estas paragens no Brasil. Só que, então, pela via das conversações.
.

.
.


Rio acima... O deslumbre continua. Não fora o barulho dos motores, e entrava-se numa outra dimensão! É uma zona de manguel... O tempo pareceu parar...
.







É a despedida, agora. Mas o sentimento fica...
.
.


Aqui, se produz matéria orgânica para o estuário, que irá constituir a base de uma extensa variedade de cadeias alimentares...
.
Aqui, se encontram "berçários" naturais tanto para espécies típicas deste ambiente, como para animais muito diversos como aves, peixes, moluscos e crustáceos que, aqui, encontram as condições ideais para a reprodução, a criação da descendência e abrigo. Espécies, muitas delas, com elevado valor económico ou ecológico...
.
Aqui, se estabeliza a linha de costa, fixando o solo e impedindo a erosão...
.
Aqui, as raízes do mangue funcionam como filtros na retenção dos sedimentos. Podendo constituir, assim, um importante banco genético para a recuperação de áreas degradadas, como, por exemplo, áreas degradas por metais pesados...
.
Aqui, Deus não se esqueceu de acrescentar uma pitada de beleza, uma pitada de tranquilidade, uma pitada de bem estar, e , acima de tudo, de nos permitir o encontro com a plena satisfação de, por momentos, nos sentirmos parte integrante de uma Natureza espontânea que, a todo o custo, gostaríamos de saber preservada...

.
.